A Doula

Doula, pra quê te quero?

Antigamente quando uma mulher ia parir se reunia em sua casa sua mãe, avós, tias, comadres, algumas dessas mulheres com a intuição de trazer o apoio à parturiente e servi-la de alguma forma, seja com massagens, comida, bebidas, um cobertor e até mesmo cuidar dos outros filhos e da casa. Com o passar do tempo essa cultura se perdeu e hoje em dia a mulher acaba passando por esse momento sozinha em um quarto frio de hospital.

A palavra Doula vem do grego e significa “ mulher que serve”. É aquela que vem para servir a mulher durante a gestação, parto e pós parto, sendo seu suporte físico e emocional, trazendo conforto e informações baseadas em evidências científicas. Durante a gestação a doula sugere leituras, vídeos e outros meios para que a gestante e o marido se informem de acordo com o que eles desejam, ajuda a família a tomar decisões, oferece técnicas de respiração e exercícios que irão favorecer no trabalho de parto, explica a fisiologia do parto e fases do trabalho de parto trazendo assim uma diminuição da ansiedade para a gestante.

Durante o parto oferece meios não farmacológicos para alívio da dor tais como massagens, aromaterapia, rebozzo e posições. A doula é aquela pessoa no cenário do parto que olha dentro do olho da gestante, se coloca no seu lugar, previne o ambiente e o deixa mais confortável para a chegada do bebê. É quem ouve a gestante e a lembra de suas escolhas e de sua força, trazendo encorajamento e apoio para esse momento. No pós parto a doula auxilia no processo da amamentação, vínculo mãe-bebê e adaptação do bebê. Continua sendo suporte emocional e oferecendo apoio à família até se achar necessário. De acordo com estudos a presença da doula no parto traz diversos benefícios, dentre eles:


  • Maior possibilidade do parto vaginal espontâneo;
  • Menor risco de parto instrumental;
  • Menor duração de trabalho de parto;
  • Menor uso de analgesias;
  • Menor risco de cesárea;
  • Maior satisfação com a experiência do parto;
  • Menor uso de ocitocina sintética.


Tem coisas que a doula não faz. A doula não faz procedimentos médicos, não ausculta, não afere pressão, não substitui acompanhante, não faz toque. A doula sempre será o aconchego, o olhar terno, o ombro amigo, tem o papel voltado aos sentimentos da mulher e por isso não substitui o profissional de saúde. Uma doula é além do que se pode esperar, pois com ela você pode contar!

Ah! Doula… Como te quero!